Google+ Followers

quarta-feira, 17 de maio de 2017

O AMOR REMOVE MONTANHAS E ESCALA TAMBÉM




CASAL ESCALA O MONTE EVEREST PARA SE CASAR
Posted: 16 May 2017 03:00 AM PDT
O dito popular diz que o amor move montanhas, mas um casal da Califórnia provou que ele também pode escalá-las.
Para um casal atípico como Ashley Schmeider e James Sisson, uma cerimônia de casamento tradicional realmente não correspondia ao perfil deles.
Em vez disso, resolveram criar uma celebração totalmente fora dos padrões: um casamento no Monte Everest!

E como você já deve estar imaginando, o registro fotográfico desse casamento ficou simplesmente épico.

Do planejamento até o ‘sim’
Enquanto a maioria dos casais passa o ano todo cotando buffets, doces, cerimonialistas e adereços decorativos, os preparativos de Ashley e James foram treinar para a expedição especial.
Acompanhados pelo fotógrafo, Charleton Churchill, eles levaram três semanas para chegar ao Everest, tendo como base um acampamento a mais de 5 mil metros de altura, onde finalmente fizeram seus votos depois de enfrentar uma forte neve e temperaturas congelantes juntos.

As imagens que Churchill capturou da cerimônia – nada ortodoxa – mostram uma mistura espetacular de um rico azul e um branco “crocante”.

Parabéns ao casal pela coragem e criatividade!
Começar um casamento nessas condições nos faz esperar que eles tenham um jogo de cintura incrível para lidar com as “baixas temperaturas” no decorrer da vida.


































segunda-feira, 8 de maio de 2017

CHOREI, SIM, MAS NUNCA DESISTI...




Trajetória


A intensidade da virtude 
que mexe
com nosso sentimento de admiração
cresce ainda mais, 
quando passamos a conhecer a história 
de luta e sacrifícios 
que custaram à pessoa em sua 
trajetória existencial

[Mauro Martins Santos]



             ***

                         
VOLTANDO...

*Maria Iraci Leal

Volto como quem volta do inferno,
como quem perambulou entre os mortos,
como quem se perdeu de todo e,
os pedaços tenta encontrar....
Enfim decidiram me salvar,
quatro angioplastias e retomar o vazio...
Perdi em uma semana, uma irmã e um filho,
o teto, o chão, virei sem teto, a custa de outros,
o que sobrou? Quase nada!
Vamos ver o que Deus quer de mim!

Chorei sim, mas nunca desisti...

Chorei, sim, chorei muito, demais,
hoje sei que nada tinha de especial
aquela fase de vida! Mas foi necessário
conhecer das ilusões o abecedário...
Na escalada dos dias a palavra fria,
quanta ingenuidade a minha,
não perceber os espectros da noite,
a insensatez dos açoites,
a morte sutil do sol e da lua!
Chorei o impensável,
o crime contra a castidade,
e nem era meu o pecado!
Entreguei a alma quebrei a cara,
amarguei flechas lançadas,
mas a alma minha sempre dizia,
cedo ou tarde haverá alforria!

E o tempo nosso melhor amigo,
que não deixa pedra sobre pedra,
faz por onde o que é preciso,
cedo ou tarde tudo nos revela!
Chorei, sim, mas nunca desisti,
afinal é preciso passar pelo inferno
para galgar o caminho do céu!
Algumas rosas amassadas,
alguns canteiros arruinados,
mas a vida sempre floresce
em quem carrega a primavera!
__________________________________________

*Maria Iraci Leal/MIL
POA/RS/Brasil
MIL é seu pseudônimo, as três letras iniciais de seus  prenomes
e de seu sobrenome , nada mais acertado porque MIL é mil em
tudo que faz, na amizade, companheirismo, fidelidade aos amigos
na poesia ou na prosa de todos os gêneros. Com orgulho tenho-a
por confreira em um maravilhoso site [PEAPAZ- Poetas e Escritores
do Amor e da Paz] da qual é coordenadora de grupos literários e
compõe as equipes de julgamentos e premiação virtual dos
trabalhos de membros concorrentes. Está necessitada debilitada


e carente de nossas preces.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

SEMENTES ALADAS OU ENCANTADAS...

Sementes Aladas ou Encantadas...


SEMENTES ALADAS OU ENCANTADAS...
                                                                  
 Quem no máximo só acredita no que é bem visível
                                                                     tem a má percepção de um mundo mínimo.
                                                                     [mms]

De todas as perfeições da natureza, uma das coisas que mais me impressionam são as sementes aladas. Toda a natureza em sua pura concepção me comove. Essa particularidade, as “sementes com asas” são um milagre, uma maravilha. Alguém pode até pensar - trata-se apenas de uma semente, merece tanta atenção?
Acho que sim! Elas partem de um ser que não se move, mas vivo. Até aonde sabemos não têm inteligência como a entendemos - ou seja, possuidora de raciocínio. Alguma força motriz inicial deve ter dotado as árvores de vida, funções... Então por trás delas, no retroagir da eternidade essa via metafisica de mãos duplas, houve e há uma Inteligência atuante suprindo a vontade dos seres oriundos da Criação. Se, na pequeníssima vida humana, um juiz de direito, “pode suprir a vontade do incapaz” juridicamente [em determinados casos] quando mais o Criador de todas as coisas não deverá fazer melhor que o juiz humano?



A água brota da terra, percorre a descida de uma montanha, procura os baixios da terra e criará seu vale, recebendo outras correntes de água que nasceram de forma semelhante, formando grandes caudais e correm os rios para o mar, e este nunca se transborda. A água um elemento de formulação simplíssima e o homem não consegue produzi-la, e o planeta morrerá sem ela. Árvores, onde elas existem, a água também existirá. É uma corrente muito bem engendrada cujo liame tem um nexo causal que não pode se romper.




Ter escrito isso acima, foi para mim, uma generosa volta no tempo, e me fez revisitar essas queridas sementes aladas, que me chegavam trazidas pelo vento que anunciava um festival natural anual em cada época de suas revoadas. A dimensão da beleza de cada voo, da trajetória e evoluções peculiares de cada uma até aterrissarem, para com sorte tornarem-se um novo exemplar de sua planta mãe, é algo que aquele que ainda não as viu em sua aventura aérea pela perpetuação da vida e espécie, por certo se encantará por toda a  dimensão disto que é tão simples e belo.
Quem tiver a felicidade, como eu, de vivenciar esses verdadeiros voos livres, o milagre da vida se deslocando no espaço marcará para sempre em sua alma, um capítulo muito especial dos Grandes Espetáculos da Mãe Natureza...



O meu contato de visão e sentimento com essas plantas mães, foi em Moji Mirim-SP na minha infância, quando a periferia da então pequena cidade era só formada por campos. Tive a alegria de reencontrar-me com esses pequenos seres alados novamente, durante viagens a Minas Grais e cidades paulistas em campos próximos à Serra da Mantiqueira, em companhia da família, em que aproveitei para contar-lhes das peculiaridades de cada “modelo” de asas que carregam uma vida latente, desprendida da doadora - a árvore correspondente. Uma viagem de pura beleza nas asas de uma semente... Pode parecer incrível a alguns - que se  escreva tanto a respeito de uma coisa tão singela como uma semente. Pois desejo de todo o coração que possam um dia deparar-se com essa festa alada e que atentos para não deixem passar esta rara oportunidade de vivenciar uma coisa tão encantadora quanto simples...





quarta-feira, 3 de maio de 2017

HÓSPEDE CRIA ESCULTURAS INUSITADAS COM AS ROUPAS DO QUARTO DO HOTEL


segunda-feira, 1 de maio de 2017

ATÉ QUE VIVA TUDO QUE TENHO PARA VIVER




ATÉ QUE VIVA TUDO QUE TENHO PARA VIVER

As águas agitadas dos rios ficam
mansas quando chegam ao mar,
  na busca do perdido amor, meu coração 
 aquieta-se dada as profundezas do tempo!
[M. Martins Santos]

Tu pulsas sempre...
Cuja energia não digo que sei de onde vem,
Pois não conheço o início do Universo;
No verso do Ser, sempre há um mistério reverso.
Para seu pulsar não há bateria nem artificial energia...
Desde mesmo antes de ser já pulsava em tal sinergia,
Rei da maravilhosa máquina humana a impulsionar.
Está tua origem nos mais incógnitos teoremas cósmicos,
E para lá desvendando galáxias, macro estrelas: são sóis...
Tu me levarás para que possa ver o coração do cosmos pulsar,
Faças-me viver até que viva tudo que tenho para viver aqui,
Quero meu coração, ver mais flores, sentir mais sabores,
Ver mais pores do sol, mais albores, auroras de primavera,
Todas as estações e quimeras, que nos fazem caminhar.
Quero meu coração, caminhar por mais praias brancas,
Se possível de outras terras, perto ou longe donde nasci;
Conhecer mais Faróis Guardiões dos perigos do Mar...
Gostar ainda mais do que já gosto das Araucárias
Estar em altas montanhas com o frio das nuvens no rosto,
Beber das fontes em seus nascedouros borbulhante,
Ver mais cascatas tão altas que suas águas neblinam ao cair.
Poder mirar ao mais longe possível o horizonte de minha terra,
Poder voltar mais vezes onde plantei a árvore da saudade,
Regar o que plantei e ver frutificar os pomos da gratidão,
Apenas ser grato e reconhecer o amor pelo sorriso nos rostos,
Andar por caminhos de moradas onde ainda se proseiam...
Proseiam-se sobre crianças, balanços, caixa de brinquedos.
Ouvir pássaros se aninhando nos bosques ao cair da tarde,
Onde o vento frio convida ao recato das cantigas alegres.
Terás tempo para tanto, coração que já bate por décadas,
Alimentando meus sonhos e desfazendo-me as dúvidas?
Obrigado coração consertado por concertos de sonatas,
De volta a compor com dor e amor a sinfonia de minha vida.